Quais São Os Riscos? 1

Quais São Os Riscos?

Russell Crowe quer que você fique sabendo que o seu método de preparação para um papel não é de forma nenhum interessante. Mas as pessoas a toda a hora querem saber. Mas suponhamos que você pergunte. Foi dificultoso entrar pela cabeça de Roger Ailes (1940-2017), o homem que, no comando da Fox News, foi tão odiado quanto reverenciado?

Um ser acusado de legitimar teorias de conspiração racistas e de ter abordado sexualmente numerosas mulheres? Talvez. Mas essa pergunta também é errada. Você por ventura neste momento tem sua opinião sobre isto Ailes, figura central pela série The Loudest Voice, que estreou no final de junho nos EUA. Crowe, que interpreta Ailes, não está interessado nas considerações a respeito do teu personagem. Ele tem a sua própria. E tua avaliação é de que Ailes – aguerrido conservador, com um amplo poder de ação, defensor do Natal – era mais complicado do que seus adversários afirmavam.

“A única coisa que soube a respeito de Roger, ao conversar com pessoas que o amavam – e foram várias – é que era uma pessoa de muito charme, amável e muito leal”, disse Russell. Nem todos os envolvidos pela série se evidenciam tão benévolos com Ailes que, 2 anos depois de tua morte, ainda é uma figura polarizadora.

  • Cinco – Beber Muito mais ÁGUA
  • Evite fazer dietas restritivas
  • Albertino says
  • Quem ganha mais poderá pagar mais pelos filhos
  • 517 Parch Função desconhecida

Não o showrunner, tampouco o homem cujas reportagens inspiraram a série. Então, no momento em que foi lançada, a imagem de Ailes na tela era o produto de anos de competição, conversas, roteiros escritos e reescritos, ameaças de morte, calúnias e referências anônimas; de interpretações que se chocam e verdades tenebrosas. Em novas expressões, a série mostra o legado de um homem que Crowe descreveu como um “tipo muito complicado”. Ao mesmo tempo, os ataques violentos, partidários e paranoicos da Fox News, afirmando que Barack Obama era racista ou sugerindo que uma eleição poderia ser fraudada contra Donald Trump, levaram Ailes a ser detestado pelos detratores da rede de televisão. Criar sete capítulos em torno de um personagem tão polêmico foi complicado.

Encontrar o tom certo e a exibição correta envolveu algumas negociações, ilustrou Alex Metcalf, o showrunner. “Honestamente, brigamos muito”, declarou ele, referindo-se às suas conversas com Crowe. No término, ambos parecem satisfeitos com o repercussão. “Russell fez muita procura. Não significa que quis fugir de cada coisa medonha inerente a Roger; ele tinha de interpretar esse protagonista e retratar o homem por todo o teu contexto”. Adaptar a biografia escrita por Sherman para a Tv parecia menos urgente no momento em que o livro foi publicado.

Sherman e tua mulher, a jornalista Jennifer Stahl, começaram a publicar um roteiro, entretanto o projeto foi deixado de lado pelo motivo de outros compromissos. Mas pois, em 2016, irrompeu o escândalo envolvendo assédio sexual. Não bastante tempo depois, o livro e o roteiro inacabado foram escolhidos pra ser transformados numa série.

Ailes ainda estava vivo no momento em que os trabalhos de adaptação começaram. Sua morte repentina em 2017 mudou tudo. “Sua morte com toda certeza nos liberou num direito sentido já que, tais como, tínhamos uma ideia clara do final”, declarou Sherman, que escreveu abundantes capítulos, incluindo o piloto. Sherman sofreu muito com essa belicosidade. Quando se documentava pra escrever o livro, Ailes estava no auge do teu poder.

A circunstância ficou custoso. “Não tinha a mínima ideia, no momento em que comecei a escrever, no início de 2011, de que seria uma odisseia surreal. E ele tinha uma sala secreta de agentes políticos construindo web sites para manchar minha reputação e usando meios algumas vezes antissemitas”, revelou ainda. Depois de entrevistar mais de 600 pessoas com alguma conexão com Roger Ailes e acabar recebendo uma ameaça de morte, as considerações de Sherman sobre o caráter do sujeito ficaram claras. “Acho que Ailes era racista”, alegou ele, sublinhando o que chamou de “sua profunda desconfiança dos imigrantes” e “um ódio profundo de Barack Obama”.